terça-feira, 31 de outubro de 2017

Três PMs são punidos após serem flagrados dormindo na viatura em Fortaleza

A defesa tentou justificar que um deles estava no WhatsApp no momento do flagrante, porém os horários não bateram e ação ainda foi repreendida


Resultado de imagem para PMCE

FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA
    

Três policiais militares foram punidos após serem flagrados, em dezembro de 2015, dormindo dentro de uma viaturadurante serviço no bairro Jardim União, em Fortaleza. O trio foi flagrado por um tenente que fazia a vistoria naquela área.

Conforme publicação no Diário Oficial do Estado nesta segunda-feira (30), os soldados Fernando de Oliveira Silva, Zaidan Paulo de Souza e Zacarias da Costa Brasil estacionaram a viatura próximo ao Centro Educacional São Miguel quando foram abordados por volta da meia-noite pelo tenente Francisco Juscelino Gonçalves Nunes, que cumpria a função de Supervisor de Policiamento da Área Integrada de Segurança 5.

Consta no documento que os militares foram autuados e levados à Coordenadoria de Policiamento da Capital (CPC) onde foi lavrado o auto de prisão em flagrante pelo Art. 203 do Código Penal Militar.

Segundo depoimento do tenente Nunes, nenhum dos três soldados negou que estava dormindo, preferindo ficar em silêncio. No DOU afirma-se que o então supervisor disse que os três estavam no interior da viatura, com ar-condicionado ligado, sentados no banco, com os olhos fechados e ainda demoraram em perceber a presença do dele.

Posteriormente, em depoimento a favor dos denunciados, uma policial identificada por Jaqueline Rodrigues de Toledo afirmou que um dos PMs, o soldado Zacarias Brasil, estava conversando com ela no WhatsApp, o que não justificaria a denúncia. Porém, foi percebido que a conversa havia encerrado às 0h15 e a prisão acontecera às 0h45. É relatado ainda no DOU que, se o horário tivesse coincidido, ação de usar o celular para a conversa era indevida em serviço.

Por fim, após avaliar o processo, resolveu-se punir com seis dias de permanência disciplinar os soldados Fernando Silva e Zaidan de Souza; e com oito dias o militar Zacarias de Souza.

FONTE: DN

Paraipaba Ceara: Três adolescentes são mortos em ônibus escolar



Conforme a PM, as vítimas se preparavam para assumir posições de liderança no tráfico. Dois deles eram irmãos

O ônibus transitava próximo ao Centro do Município, quando foi interceptado por uma dupla armada. Os criminosos invadiram o coletivo e executaram os três adolescentes com tiros de pistola .




Três adolescentes foram mortos na noite de ontem, no Município de Paraipaba, a aproximadamente 100Km de Fortaleza. Conforme informações da Polícia Militar, o triplo homicídio aconteceu por volta das 18h30, dentro de um ônibus escolar, na localidade de Cacimbão dos Tabosas.

Dos três mortos, dois eram irmãos. As vítimas foram identificadas como Francisco Leonardo Silva dos Santos, de 18 anos, José Leandro Silva dos Santos, 15, e Antônio Alison Carneiro Sousa, 15. A PM afirmou que nenhum dos rapazes mortos estava armado.

Segundo o major PM Charles Robert, o ônibus transitava próximo ao Centro do município, quando foi interceptado por uma dupla armada. "Os dois saíram do mato, entraram no ônibus e, armados, começaram a abordar os passageiros. Ainda roubaram os pertences de alguns", disse o oficial.

O major afirmou que, ao avistarem os três adolescentes, os criminosos teriam efetuado os disparos de pistola calibre 380 contra eles. O motivo das execuções seria a disputa de território para o tráfico de drogas.

Carona

"Eles já tinham informação que esses rivais estavam dentro do ônibus. Assaltaram outras pessoas até chegarem neles. Esses jovens mortos são conhecidos na região por usarem drogas e estavam no ônibus escolar pegando uma carona até a Praça, onde estava acontecendo um festejo. O ônibus não transportava alunos. Eram pessoas da comunidade indo para a celebração", relatou o major.

O oficial lembra que as três mortes de ontem podem ter relação com o duplo homicídio registrado em Paraipaba, no último domingo (29), quando dois jovens foram executados. As vítimas Jonathan Bruno Rodrigues Lacerda, 22, e Jefferson Bruno Rodrigues, 21, eram apontados pela Polícia como líderes do tráfico na localidade.

De acordo com o major Robert, os três adolescentes executados ontem estariam se preparando para ocupar posições de liderança na venda de entorpecentes. "Eles não são suspeitos de participar no duplo homicídio, mas eram cogitados para assumir o comando no lugar dos que morreram", acrescentou o oficial da PM. Pelo duplo homicídio, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) afirma que foi preso um suspeito identificado como Helano. Até o fechamento desta edição, nenhum responsável pelo triplo homicídio havia sido capturado.

FONTE: DN

sábado, 28 de outubro de 2017

Separar presos por facção é um grande erro do estado

Não se deve dividir os presos por facções, de modo que cada uma “dominaria” um presídio. “Precisamos de ação coordenada, separação por tipo de crime, periculosidade. É isso que devemos fazer”,. “É preciso construção de presídios para separar presos por periculosidade e não por pertencerem a um grupo A, B ou C. Não podemos permitir que um grupo tenha domínio de um presídio.”
O estado tem que mostrar ao preso que quem dar ordens é o estado e não o preso 


domingo, 22 de outubro de 2017

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Número de pessoas assassinadas no Ceará chega 4 mil em 2017



O registro de mais um assassinato na manhã desta sexta feira

na cidade de Morada Nova fez o Ceará ultrapassa a marca de 4 mil homicídios registrados neste ano. O novo balanço feito pelo o blog do Jornalista Fernando Ribeiro revela que mesmo Faltando ainda 72 dias para o fim de 2017, o Ceará chegou, na noite da última quinta-feira (19), à marca de quatro mil Crimes Violentos, Letais e Intencionais, os CVLIs, como assim denominam as autoridades os casos de homicídios, latrocínios (roubos seguidos de morte) e lesões corporais que resultam em óbito. Com uma média diária de 15 casos, o estado poderá terminar o ano com o número recorde de 5.080 pessoas vítimas de assassinato, conforme projeção matemática.


Com o registro de 299 assassinatos em apenas 18 dias, o mês de outubro de 2017 já apresenta, mesmo incompleto, um aumento da ordem de 7,5 por cento em relação ao mês de outubro de 2016 completo, que teve o registro de 278 casos.


E com os 299 crimes ocorridos entre os dias 1º e 19 últimos, o estado chegou aos 4.001 homicídios no ano, faltando apenas 18 casos para se igualar às taxas de 2015, quando foram totalizados 4.019 CVLIs, de acordo com a estatística oficial da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).


Nas últimas 24 horas, ao menos, 16 pessoas foram mortas no estado, sendo a maioria nas ruas de Fortaleza e da sua região metropolitana. A guerra entre as facções criminosas tem sido a responsável pela elevação desenfreada dos índices de assassinatos no estado, avaliam as autoridades.


GUERRA E CRUELDADE


De acordo com os dados estatísticos divulgados pela SSPDS até o mês de setembro, a Capital cearense é, entre as três pesquisadas (Fortaleza, região metropolitana e interior) e a que apresenta o maior volume de assassinatos. Nos nove primeiros meses deste ano, nada menos, que 1.433 pessoas foram mortas nas ruas da cidade. E, em sua maioria absoluta, com o uso de armas de fogo.


Em seguida, vem o Interior, com o registro 924 crimes de morte. E em terceiro, a Região Metropolitana da Capital com 924 casos.


Nos últimos dois meses, a violência ganhou um componente ainda mais grave no quadro da insegurança no estado: os assassinatos com requintes de crueldade determinados pelas facções criminosas. Vítimas da rivalidade entre os grupos são seqüestrados e submetidos a torturas e depois eliminados de forma grotesca. Assim, a Polícia tem registrado quase que diariamente casos de achados de cadáveres decapitados, esquartejados, carbonizados ou apresentando outras formas de crueldade.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Trio é preso com armas e munições em General Sampaio Ceará







General Sampaio durante abordagem foi verificado que os indivíduos:

Ermeson Oliveira da Silva

Rafael da Silva Barbosa

Francisco Mateus da Silva freitas, 
estavam de posse de um Revólver calibre 38 , e uma espingarda calibre 12 foi solicitado apoio a PENTECOSTE e os mesmos receberam voz de prisão e foram conduzidos a Delegacia municipal e autuados em flagrante por porte ilegal de arma de fogo as prisões foram realizada pelos militares:

Sgt Oliveira
Sd.Raniel
Sd.Gabriel

Apoio:

Sgt Rubens
Sgt de sousa
Sd. Sara
Sd Carlos
Composições sob o comando do Tenente Delmiro

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Pistoleiro Delano Diógenes morre em confronto com PMs do Rio Grande do Norte

Um homem morreu em troca tiros com a Polícia Militar, depois de roubar uma ambulância e capotar o carro na manhã desta segunda-feira (16) na região Oeste potiguar. Ele foi identificado como José Delano Diógenes e segundo a PM, era um pistoleiro.
De acordo com o sargento Laudeilson Neves, comandante da PM em Baraúna, o suspeito fez um assalto em Mossoró e fugiu com um carro roubado para o municípío. Porém, ao chegar no centro da cidade, ele bateu. Como o veículo ficou sem condições de uso, o homem apontou uma arma contra o motorista de uma ambulância que estava parada e tomou o carro.
Delano, então, tentou fugir em direção ao Ceará, mas foi perseguido pela PM. Segundo o sargento, a perseguição seguiu até a entrada de Russas, município do Ceará, onde José Diógenes capotou a ambulância.


"As informações que recebi da minha equipe são de que ele saiu do carro atirando com um fuzil 556 e foi baleado. Os policiais ainda o socorreram, mas ele já chegou ao hospital sem vida", afirmou o sargento.
Ainda de acordo com o sargento, Delano havia roubado um carro modelo Corolla, no início da manhã, em Mossoró. Ainda na cidade, ele deixou o carro e roubou outro veículo, modelo Voyage, com o qual fugiu para Baraúna.

FONTE: G1 RN


sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Brasil: 481 Policiais mortos em serviço ou em decorrência da profissão



A Ordem dos Policiais do Brasil (OPB) é a única a realizar o triste e árduo trabalho de contabilizar as mortes entre os profissionais de segurança. E infelizmente, os números só crescem. Até o mês de agosto deste ano, foram contabilizados 439 mortos. No ano passado, nesse mesmo período, foram 324 o que significa um aumento de 115 heróis.

Os policiais militares são os que mais morrem, foram 293. Seguidos de policiais civis com 61 e agentes penitenciários com 37. O Rio de Janeiro é o campeão com 117 mortes, 41 em São Paulo e 36 no Pará.

O presidente da OPB, Frederico França, está preocupado com a situação. O quadro é alarmante. Entre os dez primeiros lugares, cinco são estados do Norte/Nordeste.

Começando pelo Pará com 36 mortes, Ceará com 34, Bahia com 33, Pernambuco com 20 e Rio Grande do Norte com 18. Já Alagoas que durante anos estava dentre os mais violentos, agora consta em 24º com a redução de dez mortos.

CONFIRA NO MORTOMETRO

481 POLICIAIS MORTOS NO BRASIL ATÉ 13/10/2017

Soldado da PM Cearense recebe salário de 400,00 reais mensais


Reforço de ajuda ao policial militar SD Almeida lotado na Companhia de Tianguá.

 O mesmo a um tempo atrás encontrava-se de LTS licença para tratamento de saúde. E na época ficou agregado (afastado) e recebendo o seu salário proporcional. Mas agora voltou  à atividade da PMCE,  trabalhando  normalmente  e ainda está recebendo do Estado proporcionalmente  seus vencimentos que é de 400 reais  por mês.


A situação agora está na PGE para regularizar e depois segue para Seplag.


Alguém tem contato nestes dois órgãos para ajudar nosso amigo?


Agradeço.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

INSEGURANÇA PÚBLICA PREOCUPA POPULAÇÃO SOBRALENSE




INSEGURANÇA PÚBLICA PREOCUPA OS SOBRALENSES

Sobral tem um policial militar para cada 2.900 habitantes. A ONU (Organização das Nações Unidas) recomenda um policial para cada 450 habitantes. População fecha estrada pedindo policiamento.

Um dos municípios mais ricos e promissores do Ceará, localizado à 230 km de Fortaleza, no Norte do Ceará, está perdendo a guerra contra a violência. Hoje com 205 mil habitantes, a cidade que deveria ter um efetivo policial de 455 homens, não passa de 70. Com apenas quatro viaturas e duas equipes do RAIO, cerca de 23 policiais militares colocam a vida em risco para garantir a segurança dos moradores de aproximadamente 60 bairros, além dos distritos. 

Na última quarta-feira 11, moradores dos distritos de Taperuaba, Aracatiaçu e Caracará, distante 65 km de Sobral, bloquearam a CE 362, por mais de 1 hora, em protesto contra a falta de policiamento efetivo e a violência. Segundo os moradores, uma viatura com dois policiais faz o policiamento em seis localidades daquela região onde moram cerca de 18 mil pessoas. 

Além do número reduzido de policiais, o desvio de efetivo para outras atribuições ligadas a prefeitura municipal, reduz a eficácia da polícia, compromete a confiança do cidadão e o Estado deixa de garantir a ordem pública e os direitos da população à justiça e segurança pública.









quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Facções confiscam casas e expulsam moradores nos bairros de Fortaleza




O assassinato com requintes de crueldade do comerciante Manoel Pedro Birino, 59, no Grande Jangurussu, teria sido motivado pelo interesse de integrantes de uma facção criminosa em uma vila de 12 casas que seu Birino possuía na comunidade Unidos Venceremos. A intimidação de pessoas ou de famílias expulsas dos lares por traficantes tem sido uma escrita no cenário da insegurança pública na periferia de Fortaleza. No quarto dia da série de reportagem iniciada no último domingo 8, O POVO conta hoje alguns desses dramas,. A série discute o terror implantado pelas facções nos bairros da capital cearense.

No dia 19 de maio deste ano, Manoel Birino tinha saído de casa para cuidar dos negócios e só reapareceria, sem vida, três dias depois. Não fossem os boatos sobre o assassinato e o desespero da mulher dele, Maria Agoreth Rocha, um amigo da família e a enteada de Birino não teriam ido ao necrotério da Polícia Forense do Ceará (Pefoce) reconhecer o corpo de um homem carbonizado, que havia sido encontrado por policiais em um barraco no sopé do antigo aterro do Jangurussu, na Regional 6.

Era Manoel Birino. Para o delegado Osmar Berto Torres, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), mais um assassinato ligado à disputa entre facções criminosas pelo território e o controle do tráfico de drogas numa das áreas mais vulneráveis para se existir em Fortaleza. “Nessa região (Grande Jangurussu), os homicídios com esse perfil não são poucos”, disse sem cravar números.

“Cidadão de bem”, segundo Osmar Berto, sem antecedentes criminais e nenhuma ligação com as quadrilhas da área, a morte de Birino não aconteceu no contexto da rivalidade em que os inimigos vão se eliminado. Mas na imposição do “poder paralelo” no bairro. “É certo que foi praticado por traficantes de uma das facções, estamos investigando a motivação do crime”, observou o delegado que prendeu um suspeito de participar da execução.

Uma fonte, ouvida pelo O POVO, que não será identificada por questões de segurança, aponta o interesse dos bandidos da facção criminosa pelas casas do comerciante. Além disso, eles estariam desconfiando que a vítima seria informante da Polícia. “Depois que mataram seu Birino, expulsaram todas as famílias que moravam na

vila dele”, afirmou.

De acordo com a fonte, fora a expulsão dos inquilinos de Manoel Birino, pelo menos 25 famílias teriam sido enxotadas da comunidade Unidos Venceremos. Gente que teria chegado na época da ocupação, há 20 anos. “Aqui está um inferno. Tem gente doente dos nervos, tem gente que está endoidando, tem pessoa que não sai mais na calçada, tem gente que fica trancada 24 horas, tem gente que perdeu trabalho, tem criança que não vai mais pra escola”, desabafou.

Segundo a fonte, os moradores da comunidade Unidos Venceremos se chocaram com a notícia do desaparecimento e posterior morte de Manoel Birino. Mais ainda, porque as histórias sobre o que estava acontecendo teriam circulado pelas ruas mal cuidadas da antiga ocupação. “Pirangueiro fala muito na esquina, quer mostrar marra, botar medo. Muita coisa é mentira, outras não”, explicou.
A vítima, conta a fonte, teria passado três dias encarcerada em um barraco próximo à rampa desativada do Jangurussu. Entre as sessões de tortura, os criminosos teriam conseguido a senha do comerciante para saques bancários. “Peça à Polícia pra olhar o histórico do cartão do banco desse senhor. A moto dele circulou por aqui e pela Babilônia (ocupação próxima à Unidos Venceremos) e não era o seu Birino”, deu a pista.


FONTE: O POVO ONLINE







terça-feira, 10 de outubro de 2017

Facções usam de crueldade para impor força e domínio em Fortaleza


Pelo menos 13 corpos carbonizados, dez decapitados e outros 14 com sinais de tortura foram achados em Fortaleza e Região Metropolitana desde o início do ano. Os casos redefinem a escala de violência adotada pelo crime organizado no Estado. Além da eliminação de inimigos, a crueldade se torna peça de propaganda das facções. Criminosos querem espalhar o medo e mostrar força em áreas desassistidas pelos governos. Para as organizações, matar não é mais suficiente: é preciso fazer sofrer e aterrorizar.

Para secretário, enfrentamento de facções não depende só do Ceará
Barra do Ceará, Pirambu, Lagamar, Jangurussu, Siqueira, Granja Lisboa, Bela Vista, José Walter e Planalto Pici acumulam os casos mais bárbaros. As regiões se destacam também pelo alto número de homicídios, além de serem consideradas reduto de facções. No modus operandi das organizações, decapitar e carbonizar são o último golpe. Antes, os executores torturam com esquartejamento e espancamento. Há casos ainda em que as vítimas têm cabelos raspados e corpos pichados.

Conforme Cláudio Justa, presidente do Conselho Penitenciário do Ceará (Copen), as ações são cruéis para servir de exemplo àqueles que questionam o poder das facções nas comunidades. Já para os inimigos, é demonstração de força. “Como esse poder não é institucionalizado, ele tem que ser imposto com crueza. Assim, as facções demarcam que aquela comunidade deve se submeter às ordens dessas lideranças”, explicou. Com a população assustada, e sem a presença permanente de forças da segurança pública para se opor às organizações, os criminosos sinalizam que a lei do tráfico é na área.

De acordo com Leonardo Sá, sociólogo e pesquisador do Laboratório de Estudos da Violência (LEV), da Universidade Federal do Ceará (UFC), fatores como o mercado ilegal de armas e drogas, além da falta de continuidade nas investigações da Polícia Civil contribuem para o aumento dos crimes violentos. Para ele, o principal problema desse novo modo de operar dos criminosos é a naturalização de níveis mais cruéis da violência pela população. “Se os bandidos são brutais, os policiais devem ser brutais. Esse raciocínio é um erro. E mostra também a fraqueza do governo. Governo forte não é o que age com brutalidade para combater a brutalidade”, criticou.

Guerra

Para os pesquisadores, o medo imposto pelas facções cria a lógica da guerra. “E quando a Polícia também usa o jogo da guerra, entrando nesse jogo, os resultados tendem a ser catastróficos. O Estado deixa de ser voltado para a paz. Perde sua função”, comentou Sá.

Para o presidente do Copen, essa mudança de postura já ocorreu no Ceará. Ele citou indícios como o aparelhamento das ações ostensivas, a expansão do Raio e a criação de forças especiais da Segurança Pública. “A Polícia tenta desconstruir o poder das facções dizendo que é maior e mais bem treinada. No fundo, é uma guerra. E os criminosos respondem demonstrando que são experts em violência. Se é guerra, a deles é essa: com decapitação, carbonização e tortura”, afirmou Justa.

Ceará: Violência no fim de semana deixa 63 pessoas assassinadas

A violência deixou 21 corpos nas vias públicas da Grande Fortaleza nas últimas 72 horas

Cascavel

Em mais um fim de semana sangrento, ao  menos, 63 pessoas foram assassinadas no Ceará.  Com isso, no acumulado do ano, já são 3.848 homicídios no estado.   A Capital cearense foi palco de 21 homicídios entre a última sexta-feira (6) e a noite do domingo (8). No Interior, foram 30 casos e na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) mais 12 pessoas foram mortas.
Em Fortaleza, os 21 assassinatos ocorreram nos seguintes bairros:  Bom Jardim (uma chacina com quatro mortos), Ancuri (três crimes, entre eles um duplo homicídio), Autran Nunes, Granja Portugal, Benfica, Sabiaguaba, Farias Brito, Bonsucesso, Parque Manibura, Aerolândia, Pici, José Walter, Mondubim, Siqueira, Praia de Iracema e Mucuripe.
Na Região Metropolitana (RMF), foram 12 casos nos seguintes Municípios: Horizonte (três casos), Maranguape (dois crimes), Cascavel, Caucaia, Aquiraz, Eusébio, Maracanaú, Itaitinga e Pacajus.
Violência no Sertão
No Interior Norte, a Polícia fez o registro de 13 casos de homicídios nos seguintes Municípios: Coreaú (dois crimes), Sobral (2), Croatá, Trairi, São Luís do Curu, Boa Viagem, Cruz, Paraipaba, Moraújo, Ipu e Baturité.
No Interior Sul, foram 17 homicídios nos Municípios a seguir: Juazeiro do Norte (duplo), Crato (dois casos), Limoeiro do Norte (dois crimes), Milagres, Crateús, Ibicuitinga, Acopiara, Beberibe, Quixeramobim, Iguatu, Morada Nova, Icó (caso de morte por intervenção policial), Quiterianópolis e Tauá.
Veja o número de homicídios no fim de semana por região:
Fortaleza .................................................. 21
Região Metropolitana/RMF .......................... 12
Interior Norte ........................................... 13
Interior Sul .............................................. 17
TOTAL ..................................................... 63

AS INFORMAÇÕES SÃO DO BLOG DO FERNANDO RIBEIRO

domingo, 8 de outubro de 2017

Chacina deixa 4 mortos no bairro Bom Jardim em Fortaleza





Quatro pessoas foram encontradas mortas dentro de uma casa na Rua Aguapé Verde, no Grande Bom Jardim, em Fortaleza. As vítimas apresentavam ferimentos na cabeça causados por tiros de pistola. A Polícia atribuiu a chacina a disputa entre facções criminosas rivais. Os responsáveis pelas execuções não foram identificados até a publicação dessa matéria.

O caso ocorreu no começo da tarde deste domingo. De acordo com a Polícia, os jovens, com idades entre 14 e 20 anos, estavam sentados defronte a casa onde foram mortos. Uma morador afirmou que estava dentro da casa dela quando ouviu uma sequência de tiros. Ao sair, soube que os rapazes haviam sido mortos.

As vítimas foram identificadas como Rafael Bezerra de Oliveira, 17; Adriano dos Santos Moreira, 20; Francisco José Araújo da Silva, 18; e Luiz Carlos de Oliveira, de apenas 14 anos.Não há informações se eles respondem a procedimentos na Justiça.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

domingo, 1 de outubro de 2017

Fortaleza: PMs são atacados quando se deslocavam para o serviço


Resultado de imagem para giroflex

Mais um ataque aos profissionais de segurança pública. Estamos vivendo dias difíceis para quem foi contratado para manter o Estado com a paz e a ordem.
Polícias militares estavam se deslocando por volta das 04:00 horas da matina quando foram atacados por assaltantes, local da ocorrência foi Via Expressa com Rua Tertuliano Potiguar.

Pedimos encarecidamente que os gestores possam rever um melhor horário para que os trabalhadores da segurança pública possam entrar de serviço.

Agradeçamos a compreensão do Comando Geral da instituição.